Projeto | Depoimentos | Aprovados no ITA |
Depoimento de Eric Pereira Queiroz Moreira, aprovado no ITA 2016.
Qui, 07 de Janeiro de 2016 18:24

Olá pessoal, sou Eric Pereira Queiroz Moreira, aprovado no ITA 2016. Durante minha preparação para o vestibular do ITA morei em Belém – PA e estudei nas turmas ITA/IME do Ideal Militar. Felizmente fui aprovado diretamente do terceiro. Vou contar aqui minha trajetória até a aprovação na esperança de motivar futuros iteanos espalhados pelo Brasil, da mesma maneira que vários depoimentos do Rumo ao ITA fizeram.

Enfim, minha história começa no início de 2013, quando comecei o 1° ano. Em meu colégio, tínhamos turmas militares (Focadas em ITA, IME, AFA, EFOMM, EN, etc), sendo que todos do colégio exaltavam a dificuldade dessas turmas, as quais possuíam uma carga horária mais pesada e um foco maior nas ciências exatas, além de prepararem para concursos bem mais difíceis do que o ENEM e os processos estaduais. Como sempre tive afinidade com exatas (Fiz quatro anos de Kumon) e me senti entusiasmado pelo desafio oferecido, decidi entrar no tal “Ideal Militar”.

Bom, eu utilizei meu 1° ano para embasar nos assuntos e me adaptar a uma rotina de estudos mais pesadas. Foquei bastante em Química e Matemática nessa época, tendo deixado a Física um pouco de lado. Além disso, consegui manter boas notas no colégio e já resolvia a maioria das questões propostas pelos professores. Porém, intrigavam-me os problemas do ITA e do IME, por sua alta complexidade. Juntando isso ao fato de que eu tive vários professores que passaram no ITA e por vezes destacavam a excelência do instituto, acabei vendo o quanto o ITA preenchia os requisitos do que eu queria em uma faculdade e decidi que tentaria passar em seu vestibular. Bom, quanto aos bizus dessa época, ressalto a importância de ter sempre uma boa base antes de partir para os assuntos mais avançados: Sim, resolver exercício do Feltre é muito chato, mas se você tentar ir direto para o Nelson Santos você não vai conseguir resolver os exercícios e ficará estagnado. Novamente: o primeiro passo para a aprovação no ITA é ter base.

No meu 2° ano, comecei a me aprofundar no segmento ITA/IME. Porém, como a divisão de turmas militares era feita no convênio, tive que passar o 2º ano com o pessoal do AFA/EFOMM e USP/Unicamp, o que impediu que pudesse ter o foco em questões do ITA na sala de aula. De início isso foi péssimo, mas consegui contornar isso estudando sozinho em casa e ignorando o conteúdo de matérias que não figuravam no ITA. Pessoal, adiantar matéria, estudar sozinho é muuuuuuito bizu, sério. O ITA cobra assuntos que não são dados em ensino médio normal e, quando dados, são bem abaixo do nível cobrado, logo vocês tem que buscar esses assuntos SOZINHOS, em casa. Nisso entrou o Rumo ao ITA na minha vida: aqui encontrei um acervo impressionante de materiais que me ajudaram a aprender coisas que não foram nadas na sala de aula. Enfim, segui ignorando Humanas (O que me rendeu uma recuperação em Filosofia, mas valeu a pena!) e estudando bem mais sozinho. Nessa época comecei a me preparar também para as olimpíadas, e vi o quanto elas são importantes: funcionam como simulados para você ver como está e estimulam bastante o estudo, já que todo mundo gosta de ganhar medalhas. No final do ano, com a matéria adiantada, fui aprovado no IME, mesmo que nos confins das vagas. Isso me deu um gás bacana para estudar para o ITA: adiantei ainda mais as matérias, resolvi algumas listas do Rumo ao ITA e provas anteriores. Cheguei na prova com meus dois anos de preparação e... fui obliterado no 1° dia. Até que fui bem nas outras matérias, consegui manter uma média de 6, mas eu estava muito fraco em Física e acabei sendo eliminado por uma prova discursiva vergonhosa. Fiquei muito triste, realmente achei que tinha chances depois do IME. Mas eu me acalmei, e parti para meu convênio.

O meu 3° ano do ensino médio foi onde decidi dar aquele gás poderoso em Física. Terminei os dois livros de mecânica do Renato Brito, a teoria de todos os Hallidays, a maioria das listas de física do Rumo ao ITA, algumas listas da OBF do site Bora Poincaré! e as provas anteriores do ITA e do IME desde 2005. Isso foi muito bom, pois Física deixou de ser a minha maior fraqueza para ser uma das minhas melhores matérias, além de ter levantado minha nota no ITA e ter me concedido uma medalha de prata na OBF. Enfim, na metade do ano estava estudando bastante Física e me sentia confiante em Matemática e Química. Então veio os vestibulares da AFA e da EFOMM, e meus resultados foram deploráveis. Minha nota na AFA foi destruída por causa de um 5 em Física e Português enquanto inglês me detonou na EFOMM. Fiquei totalmente destruído: Se não conseguia ir bem nesses vestibulares, quem dirá o ITA? Para completar, minha família começou a me pressionar, dizendo que não pagaria cursinho para mim caso não passasse no ITA em 2015 e alguns colegas de cursinho foram muito melhores que eu nessas provas, o que fez com que eu me sentisse muito mal comigo mesmo (Sim, sempre fui do tipo de me comparar com os outros). Pessoal, outro bizu: tentem controlar o emocional, façam as provas com calma. Ficar se sentindo mal e desmotivado atrapalha muito o estudo, tentem se manter calmos. Enfim, chegou o final do ano e eu fui aprovado no IME, o que melhorou minha autoestima. Além disso, tive a oportunidade de passar um mês revisando no Farias Brito, o que me ajudou demais a passar. Deixo aqui meu agradecimento à equipe FB. Nessa época, notei que era zerado em Português e comecei a estudar mais: apesar de ignorada, a prova de Línguas ajuda muito a levantar a média se você estudar tudo direitinho. Enfim, chegou Dezembro: Fiz a prova do ITA com calma (Apesar de ter errado algumas contas) e consegui fazer uma boa prova, a qual resultou em minha tão sonhada aprovação no ITA.

Livros usados:

Física: Tópicos de Física (Embasamento), Renato Brito 1 e 2 (Mecânica), Halliday (Teoria – Eletromagnetismo, Ondulatória e Óptica), Listas do Rumo ao ITA (Termodinâmica, Gravitação, MHS, Hidrostática, Física Moderna e alguns tópicos de Eletromagnetismo).

Química: Feltre (Embasamento) Feltre-Setsuo e Listas do Rumo ao ITA (Química Orgânica), Peter Atkins (Teoria – Fisico-Química e Química Inorgânica), Nelson Santos – Treinamento em Química e Físico-Química (Exercícios em geral), provas do ITA (

Matemática: Elementos da Matemática (Álgebra, Conjuntos, Funções, Geometria Plana, Exponencial e Logaritmo, Álgebra Linear), Fundamentos da Matemática Elementar (Geometria espacial e Trigonometria), Morgado (Combinatória e Probabilidade).

Linguagens: Listas do Rumo ao ITA e provas do ITA (Exercício – Gramática e Interpretação de Texto), Resumo de Livros do Rumo ao ITA (Um ótimo resumo de livros que tem na seção de Literatura do site).

Sites úteis: Virando Olímpico, Bora Poincaré, Rumo ao ITA.

Resumo dos Bizus:

  1. Sempre embasem, nunca pulem etapas. Sem o básico, não conseguirão aprender o avançado. Valorizem a teoria, tenham ela bem solidificada na cabeça;

  2. Não ignorem línguas. Não é tão difícil se acostumar com a prova do ITA e, uma vez que você pega o jeito, a prova sobe bastante sua nota. A minha maior nota (84) foi na prova de linguagens, e ela garantiu a minha aprovação;

  3. Sejam autodidatas e busquem aprender o conteúdo do ITA sem precisar do professor;

  4. Não sejam arrogantes, revisem e façam bastante exercícios, não deixem nenhuma matéria de lado. Eu achava que por ser medalhista da OBQ não teria dificuldade na prova de Química do ITA e acabei tendo por ela a minha menor nota no processo. Tentem se manter equilibrados.

 
Banner
Banner

Apoio

Banner

Pesquisa

Login

Facebook Futuro Militar

Facebook Rumo ao ITA